Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/tonamidi/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/tonamidi/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/tonamidi/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/tonamidi/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36
TÔ NA MÍDIA

O renascimento das guitarras na pandemia: O instrumento-símbolo do rock’n’roll sobrevive


Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/tonamidi/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36

As fabricantes de guitarras elétricas bateram recordes de vendas durante a pandemia. Marcas como Fender, Gibson — que chegou a decretar falência em 2018 — e tantas outras empresas do ramo evidenciaram esse grande triunfo.

Para muitos seria um fim triste e cruel. Em 2017 o próprio Érick Clapton declarou: “Talvez tenhamos que aceitar que a guitarra acabou”. Durante a década anterior a venda de violões já havia desabado de forma assustadora, e as guitarras seguiam no mesmo ritmo de comercialização, então só restava aos amantes do rock’n’roll imaginarem uma lapide com os dizeres: aqui jaz uma guerreira.

Os instrumentos tradicionais já não eram muito interessantes diante da explosão de estilos musicas totalmente digitalizados e produzidos de forma cada vez mais eletrônica como é o caso do hip hop. Diante desse cenário seria só uma questão de tempo, e muito pouco tempo para que os solos não ecoassem mais por aí. Para surpresa de todos, veio essa quarentena avassaladora, mexendo, remexendo e transformando nossos hábitos e eis que de repente entra em cena novamente ela: a velha e boa guitarra com seus acordes — invadindo, sem pedir licença, todos os nossos sentidos.

O isolamento fez com que as pessoas buscassem por um hobby, ou seja, seria muito enfadonho ficar em casa sem ter o que fazer ou fazendo o que sempre fizeram, com isso, não só a busca por guitarras, mas também por violões teve um crescimento fantástico. Segundo a Associação Nacional da Indústria da Música (Anafima), a ocupação do tempo dos brasileiros dedicando-se a alguma atividade musical subiu 15% durante a pandemia.

Os neurocientistas afirmam que estudar guitarra pode criar conexões no cérebro e reduzir o estresse. A rotina agitada do dia a dia seria atenuada pelos sons dessa velha e charmosa senhora criada em 1936 pela Gibson nos EUA. Então agora só nos resta comemorar, já que o renascimento da guitarra é a certeza de que o bom e velho rock’n’roll é resistente às mutações sonoras que surgem ao longo dos tempos e, teimoso como ele só, sempre existirá.

#ToNaMidia #WanderSah #RenascimentoDasGuitarras #Fender #Gibson

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS

Leita também