Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/tonamidi/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/tonamidi/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/tonamidi/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36

Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/tonamidi/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36
TÔ NA MÍDIA

“Corpóreo” Lucas Torres canta as metamorfoses da existência em novo EP


Notice: Trying to access array offset on value of type bool in /home/tonamidi/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/modules/dynamic-tags/tags/post-featured-image.php on line 36

Metamorfoses, sentidos em colapso, novas possibilidades de ser e estar no mundo. Os processos de transformação da existência humana são tema do novo trabalho do cantor e compositor pernambucano Lucas Torres. Expoente da música pop em Pernambuco, o artista lança nesta quinta-feira (25/03) o EP “Corpóreo” no qual mergulha ainda mais fundo nas experimentações sonoras e estéticas para cantar o existir e questionar padrões sobre o corpo humano.

O álbum reúne cinco faixas. Poemas musicados que apresentam as inquietações de um humano híbrido – ao mesmo tempo que é animal, é também máquina. A narrativa musical, através de sonoridade eletrônica desconstruída, ruidosa e cheia de texturas, faz a ponte entre natureza e tecnologia para contar as etapas da metamorfose do ser, pautando discursos do corpo livre, da ageneridade, do empoderamento LGBTQIAP+ e da autoaceitação.

Todas as músicas foram compostas por Lucas Torres, com direção musical do próprio artista e de Sam Silva, musicista parceira do cantor, e produção de Wagner Melo. Os três já trabalhavam juntos executando pelos palcos pernambucanos o repertório de “Signoser” (2018), primeiro álbum de Lucas, produzido pelo músico Juliano Holanda e vencedor de “Melhor Álbum Pop” pelo 10º Prêmio da Música de Pernambuco (2019). Durante a pandemia, o trio se encontrou remotamente para experimentar e dar vida a “Corpóreo”.

Se em “Signoser” Lucas já trazia reflexões existencialistas, em “Corpóreo”, o artista vai mais além – radicaliza ao propor desconstrução das estéticas musicais convencionais e amplifica a sinestesia, uma metáfora musical para a diversidade inerente no ser humano. “São músicas baseadas em minhas vivências pessoais, reflexões de autoconhecimento enquanto artista e ser humano”, conta o cantor, que teve como inspiração para o projeto a sonoridade de artistas como Bjork, Arca, Sevdaliza, Jup do Bairro e Maria Beraldo.

Entrecortando referências de trilha sonora de ficção científica, de artes plásticas, design e futurismo, “Corpóreo” é um álbum conceitual produzido totalmente no interior de Pernambuco. De construção imagética e experimental, a obra coloca tecnologia, ciência, espiritualidade e filosofia no mesmo patamar. É musicalidade eletrônica de muitas camadas, de entrelinhas, para sentir, apreciar e refletir.

“É um álbum para dizer às pessoas que não tenham medo de ser quem são, que não se atenham a rótulos ou limitações do corpo. Fala principalmente sobre autoaceitação e empatia com o próximo. É hora de romper os casulos e renascer”, exalta Lucas. O EP “Corpóreo” foi produzido com incentivo da Lei Aldir Blanc em Pernambuco, através da Fundarpe, Secretaria Estadual de Cultura, Governo de Pernambuco e Governo Federal.

O ÁLBUM  – “Corpóreo” abre com “Simbiótico”, faixa totalmente instrumental com altas doses de psicodelia eletrônica, que apresenta o conceito da obra. Em “Metamorfo”, a voz do cantor se apresenta para falar de renascimento. Em vez dos costumeiros timbres agudos da música pop, estão os tons de barítono de Lucas. Preenchida por camadas de distorção e ressonância, a voz é embalada por melodias secas que privilegiam tons graves, batidas eletrônicas e sonoridades em referência à estética industrial e ao lo-fi.

Canção mais pop do álbum, “Transitório” convida a dançar ao mesmo tempo em que reflete sobre a efemeridade da vida e a liberdade de ser. “Não alimente a matriz, não multiplique padrões”, diz a letra. A ruidosa “Reprogramado” revela ira e revolta contra os sistemas opressores – o corpo se autoafirmando como instrumento político e social. “Hospedeiro” encerra a obra como um chamado à transcendência, ao despertar coletivo, regido pela energia do amor.

Com atuações também na área de design, Lucas Torres assina não apenas a autoria e a direção musical das canções, como também a arte da capa do EP, feita sobre fotografia de Ilton Ferreira. Em mais de 15 anos de carreira, passando por estilos da música regional ao rock progressivo, Lucas – que já planeja o próximo disco de carreira – se consagra como ícone do pop experimental de conceito, produzindo uma das sonoridades mais inventivas e originais de Pernambuco nos últimos tempos.

#ToNaMidia #Claudelopes #Corporeo #LucasTorres

@tonamidia @claudelopes70

COMPARTILHE
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on telegram
SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS

Leita também